dodouro press

GUEDES, Miguel António de Mello Abreu Soares de Brito Barbosa Palha Vasconcelos

Foi 1.° Conde de Murça. Nasceu em 25.12.1736. O título de Conde de Murça foi lhe concedido, de jure e herdade, por D. João VI, por Decreto de 6 de Fevereiro de 1826, contando o fidalgo quase 90 anos de idade. E o certo é que faleceu a 7 de Agosto de 1836, também a escassos meses de completar 100 anos. Mas debrucemo-nos um pouco mais sobre a sua vida. D. Miguel Guedes foi 14° senhor de Murça e Castro Daire, senhor do morgado da Figueira, comendador de Santa Maria de Freixas na Ordem de Cristo, e sócio honorário da Academia Real das Ciências, para lá de moço fidalgo com exercício no Paço. De 1795 a 1800 foi governador e capitão general de Angola, devendo se a este mandato a construção do palácio governamental. Foi também governador de Pernambuco, e durante a Guerra Peninsular exerceu as funções de governador e capitão general nos Açores. Fez parte da comissão que D. João VI nomeou, depois de restaurado o uso do poder de Rei absoluto, em 1823, para estudar um projecto da Constituição. Em 1825 foi ministro da Fazenda e interino dos Negócios Estrangeiros, e presidente do Real Erário. Em 1826 foi nomeado par do Reino. Casou, a 21 de Junho de 1815, com sua sobrinha, D. Maria José de Albuquerque, que nasceu a 24 de Março de 1798, filha de Domingos de Albuquerque Coelho de Carvalho, moço fidalgo com exercício na Casa Real, comendador da Ordem de Cristo, e de sua mulher, D. Maria Antónia Mello. Morreu com quase 100 anos, como atrás se refere. Foi 2° Conde de Murça D. José Maria de Mello Abreu Soares de Brito Barbosa Palha e Vasconcelos Guedes, que nasceu a 4 de Setembro de 1817, e morreu a 8 de Novembro de 1858, filho primogénito dos 1ºs Condes. Sucedeu em toda a Casa de seu pai, foi o 15° senhor de Murça e comendador da Ordem de Cristo. Casou, a 21 de Junho de 1837, com D. Helena Maria da Piedade de Lencastre, que nasceu a 6 de Novembro de 1820 e morreu a 15 de Janeiro de 1889, filha dos 4°s Marqueses de Abrantes, D. José Maria da Piedade de Lancastre Silveira Castelo Branco de Almeida Sá e Menezes (1784/1827) e de sua mulher, D. Helena de Vasconcelos e Souza, filha dos Marqueses de Castelo Maior. O titulo de 2° Conde de Murça foi lhe concedido por Decreto de 1 de Outubro de 1836, assinado por D. Maria II, 3° Conde de Murça foi D. João José de Mello Abreu, que nasceu a 20 de Agosto de 1820 e morreu a 10 de Julho de 1869, filho segundo dos 1°' Condes. Casou, a 21 de Maio de 1855, com D. Ana de Sousa Coutinho Monteiro Paim, dama da Rainha D. Maria Pia, que nasceu a 24 de Dezembro de 1820 e morreu a 11 de Julho de 1886, filha dos 1°s Marqueses de Santa Iria, D. Luís Roque de Sousa Coutinho Monteiro Paim e de sua mulher e sobrinha, D. Mariana Vicência de Sousa Holstein. Recebeu o título de 3° Conde por Decreto de 29 de Março de 1859, assinado por D. Pedro V. Foi 4ª Condessa de Murça (e também Condessa de Sabugosa pelo casamento) D. Mariana das Dores de Mello Abreu Soares de Brito Barbosa Palha de Vasconcelos Guedes, que nasceu a 26 de Abril de 1856, filha primogénita dos 3°s Condes. Foi dama camarista, das Rainhas D. Maria Pia e D. Amélia, dama da Ordem das Damas Nobres de Maria Luisa, de Espanha, condecorada com a Cruz "Pi o EcHesia et Pautifice" e presidente de numerosas ordens católicas de caridade. Casou. a 8 de Janeiro de 1876, com António Vasco Maria José de Mello da Silva César e Menezes, 5° Conde da Sabugosa, distinto escritor e um dos membros do grupo dos Vencidos da Vida, par do Reino, mordomo mor da Casa Real, alferes mor do Reino, etc., filho primogénito dos 3°' Marqueses de Sabugosa. O titulo foi lhe renovado pelo Rei D. Luís I, por Decreto assinado a 1 de Março de 1871. O 5° Conde de Murça foi Jorge Maria de Mello, filho segundo dos 4°s Condes pelo primogénito seguir com o titulo de Conde de S. Lourenço, que nasceu em Cascais a 5 de Setembro de 1886 e morreu a 25 de Novembro de 1954. Casou, a 4 de Junho de 1924, com D. Fernanda Falcão de Sommer, filha do grande proprietário e capitalista Luís de Sommer e de sua mulher, D. Adelaide Falcão. Usou o titulo por autorização de D. Manuel II no exílio, a 18 de Outubro de 1924, renovando posteriormente a mercê no Conselho de Nobreza, a 20 de Janeiro de 1948.

Eduardo Proença Mamede

In iii volume do Dicionário dos mais ilustres Trasmontanos e Alto Durienses,
coordenado por Barroso da Fonte, 656 páginas, Capa dura.
Editora Cidade Berço, Apartado 108 4801-910 Guimarães - Tel/Fax: 253 412 319, e-mail: ecb@mail.pt
Preço: 30 €