dodouro press

Dois árbitros e dois dirigentes desportivos foram detidos em flagrante delito
Adeptos, jogadores e Direcção do Sporting de Lamego dizem que não acreditam em subornos

30Nov.2007 - "Apita o apito" na AF de Viseu
A PSP deteve, na transacta noite de 15 de Novembro, dois dirigentes desportivos e dois árbitros, em flagrante delito, na altura em que (ao que parece) se preparavam para transaccionar dinheiro, em Tondela e Castro Daire. Ao que foi possível apurar, o comando da PSP de Viseu recebeu a denúncia, que terá alegadamente partido de responsáveis pela arbitragem de Viseu e montou, de imediato, a operação, já que "como a denúncia foi feita pouco tempo antes da transacção, não houve tempo para dar conhecimento à Polícia Judiciária", conforme explicou o Comandante da PSP de Viseu, Almeida Campos.
Até ao momento, sabe-se que os dois árbitros detidos, pertencentes à Associação de Futebol de Viseu, são José da Cunha, residente em S. Miguel de Outeiro, e Fernando Dias, residente em Parada de Gonta, ambos do Concelho de Tondela. Quanto aos dirigentes detidos, sabe-se que representam o Sport Clube de Lamego, primeiro classificado do Campeonato da 1.ª Divisão de Honra da AF Viseu.O primeiro interrogatório judicial dos suspeitos aconteceu logo no dia seguinte, nas comarcas de Tondela e Viseu. Como medidas de coação, quer o árbitro Fernando Dias, quer os dirigentes Rodrigo Guedes e Jerónimo Medeiros (que, ao que parece, não prestaram declarações, usando o direito ao silêncio) ficaram obrigados a prestar termo de identidade e residência, juntando-se ao outro árbitro, José Cunha.Para além disso, sabe-se, ainda, que Fernando Dias foi suspenso das funções de arbitragem de futebol que vinha desempenhando, uma decisão que será comunicada AFV e à Federação Portuguesa de Futebol (FPF). Rodrigo Guedes e Jerónimo Medeiros foram também suspensos das funções de dirigentes do Sporting Clube de Lamego que vinham desempenhando, o que será comunicado ao presidente do clube, à AFV e à FPF. Entretanto, o Presidente do Sporting de Lamego, Amândio da Fonseca, já veio a público garantir que o clube "não está envolvido" no alegado caso de corrupção e que o seu dirigente que foi detido, Rodrigues Guedes (vogal de direcção), apenas conduzia o carro onde ia também um empresário da região do Douro, Manuel Madeiros, igualmente detido. Amândio da Fonseca esclareceu, ainda, que "um empresário de perto da Régua que tem uma casa de carros antigos forneceu peças a um senhor que já foi árbitro e foi no momento do pagamento que foram detidos", sublinhando que "quem conduzia o carro que levou esse empresário é que é dirigente do Sporting Clube de Lamego". Os adeptos, jogadores e a Direcção do Sporting de Lamego preferem acreditar que é por mérito próprio que estão em primeiro lugar e não acreditam em subornos aos árbitros.