dodouro press

No dia 30 de Outubro vista uma peça de roupa cor-de-rosa na luta contra o Cancro da Mama. Vamos colorir Portugal de Rosa!  Em Portugal morrem quatro a cinco mulheres por dia de Cancro da Mama 
No âmbito das celebrações do Dia Nacional da Prevenção do Cancro da Mama, a Associação Ame & Viva a Vida – Associação de Mulheres Mastectomizadas – promove, no próximo dia 30 de Outubro, o Dia da Mulher Rosa, com o objectivo de chamar a atenção para um problema de saúde pública. Em Portugal, surgem anualmente cerca de 4.500 novos casos de cancro da mama, por ano e morrem aproximadamente 1.500 mulheres, por ano, com esta doença, o que perfaz uma média de quatro a cinco mortes por dia. O cancro da mama é a segunda causa de morte nas mulheres com idade compreendida entre os 35 e os 55 anos.
De forma a sensibilizar a população para a importância do diagnóstico precoce no tratamento do cancro da mama e para acabar de vez com o estigma associado a esta doença, a Associação Ame & Viva a Vida, convida todas as mulheres a unirem-se a esta luta, vestindo, no dia 30 de Outubro, uma peça de roupa cor-de-rosa, no seu vestuário. A par desta iniciativa, irão ainda ser distribuídos folhetos com informação alusiva ao cancro da mama nas 18 principais capitais de distrito.
Através desta iniciativa, a Associação pretende alertar todas as mulheres para a importância de um auto-exame mamário mensal, mamografias periódicas e observação médica anual. Recomenda-se ainda uma vida saudável através do exercício físico regular, uma dieta pobre em gorduras, pouco álcool e sem tabaco.

Sobre a Associação Ame & Viva a Vida:
A Associação Ame & Viva a Vida é a única Associação em Portugal composta maioritariamente por mulheres mastectomizadas sobreviventes do cancro da mama e que, voluntariamente, se disponibilizam para apoiar todas as mulheres com esta doença e as suas famílias. Esta Associação, que conta já com 3 anos de vida, tem como principais objectivos o esclarecimento de dúvidas, apoio emocional e social às mulheres mastectomizadas e suas famílias, informar as mulheres sobre a sua doença e sobre a legislação existente e que define os seus direitos, assim como participar activamente na prevenção do cancro da mama, sensibilizando a população em geral e os profissionais de saúde para os problemas das mulheres mastectomizadas.