dodouro press

VILA REAL - ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS
A minha modesta opinião.
Tem inicio esta semana a campanha eleitoral, para muitos há muito iniciada, na dita pré-campanha.
A referencia aqui aos partidos sem grande expressão e que não tem hipóteses de meter um vereador que seja é roubar espaço ao jornal, a não ser que a CNE mo viesse a impor. Peço desculpa aos candidatos da CDU e do bloco de esquerda.
Na luta posicionam-se três partidos, sendo de menor expressão o CDS que no entanto poderá eleger um vereador, Jorge Pinho, homem de confiança e com muita determinação, a quem o apoio de Mário Montes (Independente) poderá ser essencial.
A propósito deste último fiquei com a impressão na sua apresentação de que tem muito mais amigos a quem serviu, receosos de estar a seu lado por razões politicas, embora com ele convivam dia a dia.Jorge Pinho foi brando nas criticas à gestão autárquica, referindo algumas das mais caricatas como seja a requisição da polícia para obter uma cópia de uma acta falseada vindo a ter o chumbo do Tribunal de Contas.
Do lado contrário Rui Santos deputado do PS soube reunir-se de elementos independentes, válidos, com curriculum, inclusive de antigos candidatos, e um apoio de um outro antigo candidato pelo CDS. Tem sido moderado nas suas afirmações. Promete as corridas e acusa o seu opositor de em tempo de campanha eleitoral prometer aquilo que em anos anteriores aprovou com o seu voto, como sejam os acréscimos fiscais para o Município, principalmente a derrama. Rui Santos apresenta um bom elenco, podendo ter ido mais longe se melhor assessoria-do.
António Carvalho, o candidato impensável do PSD, uma espécie de quarta ou mais apanha, aparece como se tivesse feito parte de um lançamento de para quedas, longe da Vila e a ela viesse parar pela força do vento. Não apareceu pela força do vento, mas pela incompetência em gerir de M2 em fim de mandato. Este Senhor, algumas vezes em frente à Sé Catedral e perto da Pastelaria Gomes, pegou pelo braço a alguns membros do partido, pediu-lhes para olharem para a Câmara dizendo "o meu sucessor vais ser tu". Exemplos o de Caseiro Marques, Pedro Ramos, Costa Pereira e Madeira Pinto, obrigado a apresentar a sua não aceitação, logo no dia seguinte a ser anunciado como candidato por aquele que com ele andou ao colo até se filiar. Que interesses estão por trás deste forcing à desistência? O que levou Madeira Pinto ao insulto do seu promotor para que Eduardo Varela autorizasse a saída dos empregados municipais mais cedo? Este senhor e Miguel Esteves não tem sido atacados pela comunicação social. Os opositores do primeiro só querem ser eleitos para ver se encontram dinheiros que sobram das contas municipais se escondidos no edifício.
Miguel, deixou na Srª da Guia o leitão por desgostar. Os seus mais directos críticos e do candidato repescado, estão no interior do partido. Há quem concorra e ganhe e quem perca o concurso e reclame com 12 páginas. Um veterano nas andanças do partido diz que a Toni (como carinhosamente é conhecido) lhe falta um termostato porque facilmente lhe salta a tampa. O seu vice-presidente, presidente de uma associação de bombeiros não tem o apoio da maioria dos voluntários, segundo as suas palavras. Como empresário é considerado como lento, levando logo a seguir atrás de si uma jornalista que nunca poupou criticas a Manuel Martins.
Este já faz parte do passado, passa muito tempo na casa de espinho onde obteve 10 anos de isenção, e começará a ver passar por si, nas ruas da cidade quando por lá andar, muita gente que não o vai reconhecer. No ar andam lançadas notícias por um pseudo jornalista, um promotor de candidatos a eleitos (a vida custa a ganhar) sobre um negócio de uma farmácia, a existência de um livro preto e mais, muito mais.
O Povo vai julgar. Ricardo Carvalho o candidato laranja, independente, depois do namoro falhado com o PS, a Presidente da união de freguesias de S. Dinis está a lançar uma campanha agressiva que abafa a do candidato ao Município e decerto vai ajudar a confundir muita gente, se entretanto não fôr travado. Presidente da Associação Comercial, não será pelos comerciantes que será eleito, depois da cidade ter 5 grandes superfícies comerciais.
Quanto às freguesias muito haveria a dizer, só que o espaço terá de ser pequeno. Não basta ter corpo ou um título incompleto para ser candidato, é preciso muito mais.
Ganhe quem ganhar, já tenho luz à minha custa, água do poço, as valetas e saneamento um dia aparecem. Basta saber esperar.
No PSD já se encara a derrota num poder com mais de 30 anos. Terão os conselheiros razão?. Basta esperar mais uns dias.

A. Costa Paulo.