dodouro press

Um verão como os do costume
Esta é uma altura do ano, em que vemos determinadas coisas, acontecerem quase da mesma maneira como em anos anteriores.
Calor, pouco calor, férias ou quase férias, mais movimento nas ruas da cidade, enfim, é verão e como tal, agitam-se as coisas por causa do tempo de verão.
Digamos que o verão é uma época em que as coisas acontecem porque o tempo o permite. Os dias são maiores, o sol brilha mais, é mais quente, o lazer é coisa para levar a sério ou não estivesse-mos na presença da época perfeita para o lazer.
Mas, apesar de tudo isto, esta é também uma época onde a "tradicional" largada de fogos deixa a sua lamentável marca. Um cunho pesado para as florestas, aldeias/cidades e para os cidadãos.
Mas, se o verão é tradicionalmente composto por estas pequenas coisas, outras há que são igualmente tradicionais nesta época do ano e, verão sem as ditas coisas não é a mesma coisa.
Até podia tentar ser mas, o que fazer com a análise, o comentário, as observações, as opções, as esperanças, enfim, tudo isto ficaria sem a devida atenção e, atenção é tudo o que se procura para este tipo de coisas.
Apresentadas as ditas outras coisas, tradicionalmente características da época, resta-me apresenta-las ao "mundo" onde estas ditas coisas parecem substanciar-se, muito por culpa dos fervorosos adeptos que aguardam quase impacientes pela época das experiências para poderem reformular análises e desejos. Falo claro está da bola e da nova época que agora começou.
Todos os envolvidos fazem/fizeram os seus acertos com vista à tranquilidade e ao sucesso, seja isso o que for. Para uns o sucesso terá um significado, para outros, o sucesso será certamente ser o melhor.
Pois bem, nestas coisas do melhor, as perspectivas apontam para a tradicional volta dos três, talvez quatro, sendo certo que todos (os três/quatro e os outros) têm já definido ou quase o papel a desempenhar.
A uns, cabe o papel da "luta" pela glória, a outros o da redenção, e a ambos, um caminho a que damos o nome de campeonato, onde no fim se verá qual a melhor interpretação…
O espectáculo já começou... Que role a bola.

Jorge Almeida, Dr.