dodouro press

Cá está ela outra vez!!
Ele há coisas que chegam a fazer crer que possa existir transmissão do pensamento. Há menos de uma semana, falando com a minha mulher, após certa conversa em plena via pública com um mação nosso conhecido, calhei a dizer: é verdade, aquela conversa da Maçonaria, que tanto por aí andou, parece que se foi. E concluí: devem ter percebido que não pegava. Bom, enganei-me.
Com um inacreditável espanto meu, eis que ontem mesmo, pouco depois de se iniciarem os noticiários televisivos das vintes horas, e que me determinei a não seguir, fui encontrar nas Notícias do Google uma delas referente a certa lista de mações, com cerca de um pouco mais de mil e quatrocentos nomes, colados num blogue que dá pelo nome de Casa das Aranhas. Um blogue de que nunca havia ouvido falar.
Fiquei com a ideia de que este blogue é tratado por um nosso concidadão muito ligado ao Islão, a uma primeira vista por via de um interesse intelectual, porventura já com alguma vivência mais entusiasmante e interior. Nesse sentido, o nosso concidadão entreter-se-á, digamos assim, a abordar os grandes males que vão hoje varrendo o Mundo, achando que a Maçonaria em Portugal se constituiu numa estrutura de conspiração e corrupção. Penso que é isto que terá motivado a iniciativa deste nosso concidadão.
Acontece que eu conheço, pessoalmente ou não, cerca de vinte por cento dos nomes que surgem na referida lista. Nela se encontra gente já falecida e muita outra ainda na nossa companhia. Mas sei, por igual, que de entre os nomes que conheço bem, a generalidade é constituída por concidadãos nossos sérios e honestos. Reconheço, em todo o caso, que estão ali alguns que de seriedade pouco terão. Pelo menos, de acordo com o que conheço. Mas há dois dados importantes a ter em conta.
Em primeiro lugar, e até prova em contrário, nenhum dos nomes que ali surgem se encontra ou encontrou já a braços com a Justiça. E também não creio que se encontrem ali pessoas com cadastro criminal por atos já anteriormente praticados.
E, em segundo lugar, nenhum dos nomes mais badalados e hoje a braços com a Justiça, seja a nossa ou outra qualquer, ali nos surge naquela lista. Não faltam mil e um casos e desde há décadas, em geral nunca resolvidos, mas a verdade é que os nomes então badalados, e mesmo investigados, não se encontram na lista.
Mas o caso é mais caricato, porque um dos nomes da lista teve uma punição dada por certa importante entidade pública – não foi um tribunal –, que contestou sem resultado favorável para si, mas sem que ninguém da tal suposta tenebrosa Maçonaria o conseguisse safar da punição. É verdade que continuou a ser uma personalidade de referência na sua área de trabalho, mas por via do seu mérito profissional, que nunca foi posto em causa.
O engraçado desta lista é que a mesma mostra que o número de personalidades cimeiras da nossa soberania é ali muitíssimo diminuto. Mais: até lá se encontram, e não são poucos, os que praticam as regras estabelecidas pelo Catolicismo. E mais ainda, embora só o refira aqui por graça: um há lá que, continuando a dar-se como de esquerda, e a ser assim tomado pela generalidade dos que lhe não têm acesso – os papalvos –, é já hoje, de facto, completamente de direita, só não conseguindo ainda acreditar na existência de Deus.
Mas há um segundo dado desta lista que contém uma certa graça: ela surge num blogue cujo controlador se apresenta como um estudioso e um interessado no ambiente religioso ligado ao Islão. Um facto que me leva a dizer assim: tinha de ser! Mas tinha de ser não por ser do Islão, sim por provir de um ambiente religioso… Embora não exista nada que confirme ou infirme tal realidade, a verdade é que a posição traduzida por esta divulgação não poderia ser melhor para o ambiente católico mais fundamentalista dos nossos dias…
Fico agora à espera – e como eu tenho curiosidade num tal domínio!...– da divulgação de listas similares, mas de concidadãos nossos da Opus Dei, ou da Rosa Cruz, ou de outros grupos com natureza privada ou reservada. Mas agora pergunto eu: qual a probabilidade do Casa das Aranhas vir a revelar tais listas? Bom, em qualquer dos casos, essa probabilidade é quase nula. E como o ambiente no seio do Vaticano é o que se conhece, e que Gianluigi Nuzzi tão cabalmente deu a conhecer com base em documentos que lhe chegaram do interior daquela estrutura, a não publicação de tais amplas listas constitui uma objetiva explicação para o surgimento desta lista parcial, ora vinda a lume. Um dado é certo: fartei-me de rir com o que ali encontrei. É a tal pândega a que se chegou, mas não por via da Maçonaria, sim por se usar o tempo destes dias para andar a dar conhecimento do que não tem um ínfimo de interesse. Como se a hipotética extinção da Maçonaria trouxesse o Mundo moralmente podre e pobre destes dias a um patamar de felicidade natural!!

Hélio B. Lopes, Dr.