dodouro press

Estamos lixados…
Parece que tudo o que se faz hoje em dia anda à volta do verbo lixar e que quanto mais alto se está maior é a "lixadela".
A conjugação do verbo lixar e levada à prática, agora mais do que nunca, tende a favorecer os maiores em detrimento dos "menores", o que implica uma maior desigualdade de forças, isto é, quem detém o poder, seja ele como for, tem ao seu dispor uma maior propensão para lixar e, sob diversas formas, a conjugação do verbo lixar é prática corrente, tão corrente como a existência deles próprios.
Encravados neste gosto pejorado e de orientação minimalista, lixar é por natureza a ligação perfeita entre o dizer e o fazer para aqueles que se estão a lixar para os outros e mais grave ainda, lixar os outros…
Duas coisas (estar-se a lixar e lixar os outros) numa só e ambas, lema dos que alentados pelo condão da sigla partidária corroboram a teoria do desenrasque e fazem dela um modo de vida.
Para uns denominados camaradas de luta, para outros notáveis de intervenção, estes "desenrascas" trilham caminho na resolução do seu conflito, ser aquilo que não são e desfazer-se daquilo que são. Parece complicado mas, se olharmos para os intervenientes partidários depressa ficamos esclarecidos…
Tão iguais aos outros, porém, apenas com diferenças substancialmente favorecidas…
Tudo toca a todos, dizem, mas, a uns, toca tudo e em doze maior do que a outros…
Atolados pelos "desenrascas", estes impingem-nos a limpeza da porcaria que fazem. Culpam-nos pela sua mediocridade e sentenciam-nos pela sua "perversa esperteza".
Lixar, verbo de cariz obrigatório nesta demanda do coelho, que habituado aos mimos do partidarismo, vê neles o seu desenrasque de vida.
Viciado nos truques da "mimice" dos "jobs for the boys", lixa agora um país, um povo. Ele e uns tantos como ele, que agora medíocres abastados fruto de uma parceria pelo poder, desgraçam a Gente, como se a (Gente) tivesse a obrigação de validar a sua mais que provada incompetência e por ela (incompetência) responder.
Infelizmente, caídos em desgraça absoluta, muito por culpa desta coligação absolutamente medíocre, estamos literalmente "lixados" e quiçá em vias de extinção…
Esta propagando da "lixadela" é a insuficiência de uma direita liderada por "guerreiros dos jobs", habituados aos currículos da vida fácil, em cujos caminhos se vão traçando a "propaganda da lixadela". Uma vez tomados os lugares, a teoria dá lugar à prática.
Definitivamente, com o Coelho e o Portas coligados, estamos deveras lixados… (Coelho/Portas) um produto eficaz na lixadela de um país…

Jorge Carvalho, Dr.