dodouro press

Faiança do Mosteiro de São João de Tarouca em livro
O Museu de Lamego e o projeto Vale do Varosa apresentam no próximo sábado, 23 de maio, pelas 16h00, na Casa do Infante, no Porto, “A Faiança Portuguesa de Olaria na Intervenção Arqueológica no Mosteiro de São João de Tarouca”. A publicação, da autoria do arqueólogo e responsável pelos trabalhos de recuperação do mosteiro, Luís Sebastian, é o reflexo de cerca de uma década de trabalho multidisciplinar, no âmbito da escavação arqueológica do complexo monástico, que decorreu entre 1998 e 2007.
Mais de 3500 metros quadrados escavados fazem desta uma das maiores escavações em território português, musealizada desde 2013, ao abrigo do projeto Vale do Varosa, no terreno desde 2009, sob a égide da Direção Regional de Cultura do Norte. 
Tão grande área revelou mesmo assim um espólio à partida inimaginável e que se repartiu por diversas tipologias: moedas (393), objetos metálicos (1388), elementos arquitetónicos (1433) e objetos em materiais diversos (281). A cerâmica assume neste contexto e quantitativamente um papel de destaque, atingindo cerca de 117 mil fragmentos exumados, num total que se estima pudesse chegar aos 200 mil. No entanto, a estratégia seguida de preservação da ruína arqueológica, cujo objetivo foi desde sempre musealizar, acabou por condicionar determinantemente os trabalhos e por isso também a datação das peças exumadas se situar na sua maioria entre os séculos XVI e XIX, com alguns fragmentos, poucos, a recuarem aos séculos da fundação e construção deste mosteiro de raiz medieval.
Do universo dos fragmentos exumados, foram identificados mais de 88 mil fragmentos de faiança, impondo-se desde logo como principal elemento de destaque, vindo a confirmar-se o conjunto como um dos maiores de cerâmica Moderna a ser exumado em Portugal.
Nesta obra apresenta-se o estudo tipológico de 2.782 peças de faiança portuguesa de olaria que foi possível identificar, constituídas pela colagem de mais de 13 mil fragmentos, num total de 226.701 kg de peso, assumindo-se este conjunto como amostra de um universo mais extenso, mas que ilustra a produção de faiança portuguesa, num dos maiores trabalhos de registo gráfico alguma vez realizado em Portugal.
A apresentação da obra, disponível com preço especial de lançamento no dia 23 de maio, estará a cargo, na Casa do Infante, do Doutor Luís Fontes, da Unidade de Arqueologia da Universidade do Minho. Em junho, o lançamento de “A Faiança Portuguesa de Olaria na Intervenção Arqueológica no Mosteiro de São João de Tarouca” decorre em Coimbra (Edifício Chiado), a 13 de junho, e em Lisboa no dia 20 do mesmo mês (Museu de São Roque).